O que você deve saber sobre o crescimento do mercado de alimentação saudável

11 minutos para ler

Depois de tantos efeitos prejudiciais à saúde evidentes com uma dieta não balanceada, alimentos processados e industrializados e o fast food, a população gradativamente passa a procurar opções mais nutritivas para inserir no cardápio.

Além da busca por saúde, a causa ambiental e a preocupação estética são alguns dos motivos que levam o mercado da alimentação saudável a ser tão referenciado e produtivo para se investir. Muitos já estão saturados de alimentos nocivos e sentem na pele os diversos prejuízos da ingestão de comidas pobres em nutrientes, mas ricas em agrotóxicos, açúcares e gordura.  

O mercado de alimentação saudável tem perspectivas promissoras no momento atual e a tendência é de crescimento, especialmente com o avanço da conscientização ambiental e o aumento da escolarização de boa parcela da sociedade. Quer aprender mais sobre o assunto? Confira nosso post especial!

1. Como está o mercado de alimentação saudável hoje?

Segundo um estudo da agência de pesquisa Euromonitor, o crescimento do mercado de alimentação saudável entre 2009 e 2014 foi de 98%. De acordo com a mesma fonte, em 2019 esse mercado movimentou R$ 35 bilhões por ano em nosso país, sendo que 28% dos brasileiros priorizaram consumir alimentos ricos nutricionalmente e 22% optaram pela comida sem conservantes. 

Outra pesquisa realizada pela Euromonitor em 2017 apontou que, de 2011 a 2016, o mercado de alimentos e bebidas nutritivos cresceu uma média de 12,3% ao ano. Só em 2016, foram movimentados R$ 93,6 bilhões em vendas nesse setor.

Já o estudo NutriNet Brasil, feito pelo Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo, mostra que houve uma tendência de aumento na escolha por comida balanceada desde o início da pandemia. Entre os 10.116 primeiros participantes, o consumo de alimentos saudáveis aumentou de 40,2% para 44,6% no período de fevereiro (quando não existia notificação de casos de coronavírus no Brasil) a maio de 2020, em que medidas de isolamento social mais restritivas haviam sido implementadas.

A principal hipótese do estudo foi de que a necessidade de ficar em casa fez as pessoas passarem a preparar mais a própria comida. Podemos acrescentar como motivo para esse comportamento o aumento da preocupação com a saúde, incentivado pela pandemia.

Em uma pesquisa realizada pelo Instituto Qualibest no ano passado, 35% dos entrevistados relataram manter uma dieta equilibrada, enquanto 14% disseram que focam a alimentação nos produtos naturais. Nesse grupo, 51% das pessoas afirmaram que buscam alimentos in natura, ou seja, consumidos sem alteração; 25% procuram os menos processados; e 33% preferem comida com baixo teor de sódio, gordura ou açúcar.

2. Há perspectivas de crescimento do mercado de alimentação saudável?

O mercado de alimentação saudável inclui não só os restaurantes, mas todos os envolvidos no cultivo, na produção e no fornecimento de alimentos nutritivos. Assim, lojas, mercados, feiras especializadas e membros do setor rural fazem parte desse grupo.

O consumidor de alimentos saudáveis se destaca por ser bastante exigente e estar sempre preocupado com a procedência e o impacto gerado pela produção do item adquirido. As causas ambientais e da busca de comida nutritiva não são a mesma coisa, mas se atravessam. Afinal, um ciclo produtivo sustentável, que respeita o meio ambiente e o ecossistema, garante um alimento íntegro e de alto potencial nutricional ao cliente.

Há ainda quem esteja com foco na estética e em um estilo de vida saudável, longe do sedentarismo. O consumidor fitness também é exigente, mas está especialmente focado no índice de vitaminas, proteínas e calorias, se preocupando tanto com a parte estética quanto em prevenir doenças e manter o preparo físico.

Seja qual for a causa que sustenta a busca por alimentos saudáveis, ela tenta associar sabor, variedade e a viabilidade de preparo do alimento em uma rotina atarefada e corrida. Alguns conseguem se adaptar e preparar a comida nutritiva em casa, mas muitos itens requerem tempo para cozinhar e fica difícil encaixá-los no dia a dia. Assim, os restaurantes e lanchonetes com foco em alimentação saudável são uma grande oportunidade de investimento.

3. Quais são as principais tendências no mercado de alimentação saudável?

O mercado de alimentação saudável apresenta diversas vertentes em que você pode investir. Algumas englobam estilo de vida e outras opções estão associadas às restrições alimentares. Entenda melhor a seguir!

3.1. Dieta plant based

Plant based é a alimentação baseada em vegetais, sem derivados de origem animal ou ingredientes artificiais. Essa dieta prioriza também a ingestão de pouca gordura e muitas fibras, com foco na promoção da saúde e no aproveitamento do potencial nutritivo dos vegetais.

3.2. Alimentação à base de orgânicos

A alimentação orgânica envolve a ingestão de alimentos livres de agrotóxicos e transgênicos. Mais do que um grande potencial para a saúde, essa dieta conta também com os objetivos de valorizar o pequeno produtor rural e respeitar os ciclos da natureza. Os produtos são bastante valorizados e contribuem para favorecer um ciclo de produção que não agrida o meio ambiente.

3.3. Dieta glúten free

O glúten é um composto de proteínas presente em cereais como trigo, aveia, malte, centeio e triticale. Os doentes celíacos apresentam uma reação imunológica à ingestão desse composto, que provoca uma inflamação no intestino e pode gerar complicações.

A forma de tratar o problema é seguir uma dieta livre de glúten. Trata-se de um segmento bastante positivo para investir, já que os pacientes celíacos muitas vezes enfrentam uma carência de opções alimentares para consumirem.

3.4. Alimentação vegana e vegetariana

Segundo uma pesquisa do Ibope, cerca de 15,2 milhões de brasileiros eram vegetarianos em 2018. Esse grupo corresponde às pessoas que não comem carne e, dentro dele, há:

  • aqueles que consomem ovos e leite (ovolactovegetarianos);
  • os que tomam leite, mas não comem ovos (lactovegetarianos);
  • os que comem ovos, mas excluem o leite do cardápio (ovovegetarianos).

A tendência é de crescimento do vegetarianismo e do veganismo, devido à maior sensibilização da população quanto à indústria da carne. Outro fato que contribuiu para isso é a maior parte das pandemias terem alguma relação com o consumo da carne, o que aumenta a preocupação da sociedade em relação ao tema. 

O veganismo é um estilo de vida pautado na ética animal. Nele, a pessoa opta por não utilizar qualquer produto ou item produzido a custo de ou que implique na exploração e no sofrimento dos animais. O grupo ainda conta com poucas opções disponíveis no mercado, portanto é uma ótima possibilidade investir nesse público-alvo. 

3.5. Alimentação fitness

A proposta da alimentação fitness é auxiliar no desenvolvimento e na recuperação dos músculos. Portanto, trata-se de uma dieta associada à prática de atividade física, com o objetivo de potencializar a saúde e também com um foco estético. Os alimentos mais valorizados são: arroz integral, sucos vegetais, bebidas detox, batata-doce, frango, suplementos vitamínicos e ovo.

Esse é um movimento com muitos adeptos, especialmente devido às preocupações da sociedade em manter a boa aparência associada à qualidade de vida e à saúde.

4. Qual a importância de ficar de olho nas tendências do mercado de alimentação saudável?

As tendências no mercado de alimentação saudável ajudam a identificar oportunidades comerciais. Grupos formados por pessoas veganas, celíacas e com alergias alimentares ainda contam com poucas opções disponíveis para consumo e enfrentam verdadeiros desafios para seguirem uma dieta de acordo com suas necessidades.

Existe procura, mas a oferta de produtos é escassa. Portanto, investir nessas áreas e criar um diferencial em seus alimentos podem ser uma boa chance de ampliar a cartela de consumidores e conquistar clientes fiéis.

5. Como investir no mercado de alimentação saudável? 

Para investir no mercado de alimentação saudável, é importante tomar alguns cuidados. Veja nossas dicas sobre esse assunto a seguir!

5.1. Compreenda o seu público-alvo   

É preciso estudar muito bem o seu público-alvo, compreendendo as dificuldades que ele enfrenta no dia a dia. Algumas restrições ou estilos de vida associados à alimentação passam por diversas dificuldades. Como a comida é utilizada para socialização, nem sempre as restrições são facilmente acolhidas pela sociedade. 

Os veganos são um grupo bastante estigmatizado, assim como as pessoas com alergias alimentares, por exemplo. O senso comum adota posturas agressivas e excludentes muitas vezes, dizendo que é “frescura”, pois nem todas as pessoas compreendem a causa do bem-estar animal ou a maior sensibilidade de alguns indivíduos ao leite ou ao glúten.

É preciso ter bastante sensibilidade para trabalhar na área de alimentação saudável, pois muito dessa temática afeta e envolve a consciência das pessoas. Portanto, busque explorar uma tendência com a qual você tenha empatia e compreensão.

5.2. Tenha cuidado com a produção dos alimentos 

Talvez você já trabalhe com restaurantes e se preocupe com a higienização e o preparo adequado dos alimentos. Outro ponto a ser levado em consideração são os cuidados para evitar a contaminação cruzada, que ocorre por:

  • partículas de alimento no ar;
  • uso de talheres em comum;
  • limpeza inadequada;
  • falta de programação no cozimento de alimentos com e sem determinado ingrediente.

No caso de comidas glúten free, por exemplo, partículas de farinha no ar podem se misturar ao alimento, desencadeando riscos para a saúde do consumidor. Assim, é preciso criar um fluxo de preparo do alimento bastante rigoroso e criterioso.

5.3. Aposte no lean kitchen

O lean kitchen é uma metodologia inspirada no modelo Toyota de produção, que tem foco naotimização da cozinha e do fluxo de trabalho, com produtividade, eliminação de desperdício e promoção de qualidade e valor em todo o processo produtivo. Nele, o layout da cozinha é organizado e gerenciado para se alcançar esses princípios. 

Com o lean kitchen, a operação funciona de forma inteligente, organizada e enxuta, mas com tudo o que é necessário para o máximo desempenho acessível aos colaboradores. Isso, além de melhorar a qualidade do serviço, promove agilidade e saúde ocupacional à equipe.

5.4. Invista em delivery de comida saudável

O delivery está em crescimento e ganhando cada vez mais espaço no mercado, especialmente após a pandemia do novo coronavírus. Afinal, a realização de entregas foi a saída para os restaurantes continuarem funcionando diante da necessidade de isolamento social.

A gestão de delivery é relativamente mais simples do que o gerenciamento do salão, e os resultados são bastante promissores. Além disso, o delivery de comida saudável ainda não é tão comum se compararmos ao volume de serviços focados em fast food, sendo uma ótima oportunidade de negócio. 

6. O que aumenta as chances de sucesso no mercado de alimentação saudável?

Além das nossas dicas no tópico anterior, outra solução que tem muito potencial e é uma tendência atualmente são as dark kitchens. Essa possibilidade está alcançando muito sucesso e se mostrando uma oportunidade bastante positiva, especialmente no cenário de pandemia.

As dark kitchens são cozinhas comerciais otimizadas, preparadas exclusivamente para operações de delivery. Trata-se de uma ótima possibilidade para expandir a um custo menor do que uma ampliação convencional. Isso acontece porque as dark kitchens não têm salão e contam com uma rede de custos mais enxuta (não é necessário alugar mesas e cadeiras nem contratar garçons, por exemplo). Assim, montar uma unidade dessa modalidade é mais rápido, barato e descomplicado. 

As dark kitchens são uma ótima oportunidade para quem deseja trabalhar com delivery de comida saudável a um investimento inicial menor. O processo pode ser potencializado ainda mais com o apoio da automação para restaurantes. O uso de tecnologia tende a otimizar a produção, facilitar a gestão de pedidos, melhorar o controle por meio das métricas para delivery e simplificar a gestão financeira do restaurante.

O mercado de alimentação saudável apresenta uma tendência de crescimento e já é responsável por um bom faturamento anual. Investir nesse segmento é uma excelente alternativa para melhorar os negócios e alcançar uma fatia de mercado que ainda não é tão atendida pelos produtos disponíveis atualmente.

As perspectivas são muitas e, para potencializar o seu negócio, lembre-se de estudar bem o público-alvo, preocupar-se com a experiência do consumidor, otimizar a cozinha por meio do lean kitchen e apostar nas dark kitchens para uma expansão segura com um investimento relativamente menor.

Gostou do conteúdo? Então, aproveite para deixar o seu comentário!

Posts relacionados

Deixe um comentário